Dossiê do Inbound Marketing pra Revista Locaweb

Tive a oportunidade de responder à uma entrevista para auxiliar à Revista Locaweb na construção de um dossiê completo sobre inbound marketing, junto com grandes nomes da área. A matéria ficou bem completa e teve participações de Fábio Ricotta da Agência Mestre, e Clara Borges da Rock Content.

A publicação saiu na edição 93 em Agosto de 2019.

Adquira a versão digital da revista no site da editora europanet, clicando aqui.

 

A Importância do replanejamento da comunicação frente ao cenário Macroeconômico para 2019.2? – Julho 2019

Houve uma demanda à Intermídias de refletirmos: Qual é a Importância do replanejamento da comunicação para as empresas frente ao cenário Macroeconômico para 2019.2?

A partir do texto que desenvolvemos, houveram algumas publicações com o título “Marketing digital é a aposta para o crescimento do cenário macroeconômico de 2019.2”:

Texto que redigi originalmente

Se o cenário de sua empresa não desempenhou conforme previsto neste ano de 2019, não conte com os fatores externos da economia brasileira para melhorar no segundo semestre:

“Desde o começo do ano, os economistas reduziram pela metade suas expectativas de crescimento econômico para 2019 (…)”.*

Para que a área comercial tenha uma melhora na quantidade de potenciais clientes para trabalhar as vendas, a solução pode estar na correta divulgação da sua empresa, seus produtos ou serviços.

Falar em um replanejamento de comunicação nesse momento, pode assustar pela necessidade de agilidade na melhoria de resultados. Contudo, uma estratégia de marketing e comunicação sólida é essencial para saber se estamos mirando no lugar certo, e somar isso às possibilidades de testes e otimizações que surtem efeito rápido que o ambiente digital permite, pode ser a solução para concluir o ano com o desempenho satisfatório.

Quando as pessoas não estão comprando, este é o momento de aumentar o investimento em estratégias de comunicação e vendas. Isso não deve ser visto como aumento de custo, até porque temos como mensurar o exato retorno do investimento das ações realizadas no ambiente digital.

Para uma estratégia no digital funcionar, contamos com um planejamento sólido que leva em consideração quais os objetivos, os diferenciais da empresa, produto ou serviço, e qual o seu correto público-alvo. A divulgação eficaz vai comunicar o valor do produto ou serviço considerando as dores do potencial cliente e nas mídias que ele consome, independente do segmento de mercado.

Em um replanejamento pro segundo semestre, podemos analisar os canais de marketing que estão sendo usados, os seus desempenhos isolados na métrica que mais interessa, e investir apenas nos que dão melhor retorno. Só está análise e remanejamento pode melhorar drasticamente os resultados.

Além disso, no digital, é possível fazermos testes de modalidades de entregas de diferentes ferramentas, formatos de anúncios, públicos, ver o desempenho em poucos dias, fazer uma mudança e testar novamente uma nova variação, até de forma automatizada. Existem uma infinidade de possibilidades e todas mensuráveis que geram dados que possamos analisar e otimizar constantemente, traduzindo uma clareza de qual combinação mais próspera.

Com essa riqueza de dados do ambiente digital, podemos mensurar exatamente quais foram as vendas provenientes das ações.

Na prática, na Intermídias, conseguimos acompanhar que as ações digitais foram as responsáveis para que um cliente no segmento de educação não tivesse uma queda proporcional à que estava havendo no mercado: ela gerou fechamentos, quase metade oriundos de nossas ações online, que subiram os números em relação ao semestre anterior.

Em todos os clientes que temos a possibilidade mensurar ROI e ROAS na Intermídias, este número encontra-se positivo.

Às vezes não é necessário nem investir mais, apenas replanejar e remanejar o investimento onde tenhamos métricas para que possamos analisá-las, otimizar e trazer resultados positivos comprovados.

*Fonte: https://economia.uol.com.br/noticias/bbc/2019/05/28/4-fatores-que-mostram-o-que-ha-de-errado-com-a-economia-brasileira.htm

Diretores da Intermídias: Alan Coelho, Luisa Ambros e Ian Castro

Destaques mencionados nas notícias

Um exemplo dos resultados alcançados pela Intermídias, é o case de um de seus clientes, onde foi realizado um trabalho de reestruturação e identificação dos principais pontos de gargalos das ações de divulgação, integrando toda a comunicação da Instituição com seus planos de ações.

Tendo como resultados um aumento no número de visitas no site e um crescimento na quantidade de visitas à Instituição, trazendo assim, novos clientes à empresa. As estratégias de divulgação da Intermídias foram responsáveis por 45% dos resultados alcançados por essa organização no ano de 2019.

Para conhecer alguns dos resultados que a Intermídias alcançou para seus clientes, clique aqui!

Análise competitiva do app Táxi Mobi – Jornal Ei, Táxi! – Maio 2019

Fui convidada a escrever uma análise do aplicativo e serviço Taxi Mobi e o que ele precisaria para emplacar. Trata-se de um app concorrente do Uber e outros da categoria, com o aproveitamento da frota de Táxi, e promovido pela Prefeitura de Salvador. A análise foi publicada no jornal “Ei, Taxi!” daqui da Bahia.

O tempo todo li e ouvi falar sobre a disputa pelo Preço do serviço em relação aos concorrentes, mas não vi muita discussão sobre o seu Valor para o usuário! 😉

Matéria publicada na ed. ano VIII, nº 104 – maio 2019, BA

Texto original entregue

O que o Táxi Mobi traz de diferente pro usuário?

Não é segredo: um produto ou serviço, para sobreviver a um mercado com concorrentes, precisa de um diferencial. “Por que eu vou usar o aplicativo Táxi Mobi ao invés dos outros?”.

Essa resposta deve estar associada ao que o serviço faz a mais, ou faz diferente.

O diferencial precisa ser percebido pelo usuário do serviço quando ele o usa, principalmente se ele possui preços mais altos. Ser mais barato ou caro, é algo relativo ao perfil do público-alvo. Se o serviço do Táxi Mobi possui um preço mais alto, ele deve também agregar mais valor para quem o usa.

Na prática, um usuário pode aceitar pagar mais se ele usufruir de: uma qualidade do atendimento que supere expectativas, algo que proporcione uma segurança a mais, um conforto maior dentro dos carros, uma aplicativo mais bonito, fácil e ágil, que torne a experiência de uso prazerosa e apaixonante… Ou mesmo um programa de recompensas para colaborar com a fidelização. Não é necessário ser excelente em todos os quesitos, mas é ser aceitável em todos. E, para sobreviver à concorrência, se destacar em algum mais do que os concorrentes.

Descontos movimentam o uso principalmente quando a disputa é por preço. Contudo, se o preço não pode ser menor, é essencial entregar, no serviço, aquilo que “paga a diferença”! O Táxi Mobi, ao meu ver, precisa de um aplicativo mais amigável e atraente, e deixar claro aos usuários o que ele provê que nenhum outro faz. Assim, ele poderá prosperar.

 

O Marketing Digital e as Profissões do Futuro – Jornal A Tarde, Março de 2019

Parte da entrevista que dei sobre profissões do futuro para o Jornal A Tarde que saiu no Domingo, 16 de Março de 2019!

Marketing é a parte estratégica do negócio que foca na otimização de lucros. Sempre existirá.

O digital é o meio de divulgação mais popular e amplo da atualidade e do futuro, que torna os resultados escaláveis, permite-nos alcançar o público certo e mensurar os resultados com precisão.

Marketing Digital é uma profissão que, se transformando com as plataformas de cada época, viverá para sempre.

Entrevista na íntegra

Paulo Botelho: Então você pode se apresentar e falar o que você faz?

Luisa Ambros: Meu nome é Luisa Ambros, sou diretora de operações da Intermídias, agência especialista em inbound marketing. Sou pós graduada em marketing, com formação em design e experiência em gerenciamento de projetos digitais… iniciei desenvolvimento de sites quando tinha cerca de 12 anos de idade.

PB: Você pode me dizer o que é marketing digital?

Posso! Marketing Digital hoje, seria o marketing que pode apoiar-se de plataformas digitais e dados que conseguimos acesso devido às inovações tecnológicas. É o marketing da atualidade e ele faz parte do Marketing. Quer dizer, ele tem a intenção primordial de trabalhar estratégias para crescer um negócio de forma rentável/sustentável.

PB: Existe áreas de especialização no marketing digital?

LA: Sim, existem. As áreas de especialização são várias… não sei dizer se academicamente muitas são reconhecidas pelo MEC, por exemplo. Mas há muitos setores característicos com funções que exigem constantes “especializações” através de realização de provas para conseguir certificados oficiais de grandes plataformas, como Google e Facebook – que são exigidas para o preenchimento de algumas vagas (como a própria Intermídias está fazendo hoje, por exemplo)

Por exemplo…

Existem em agências digitais o setor Mídia que corresponde a mídias digitais de divulgação. E nelas podemos ter um diretor de mídia, um analista de mídia, coordenador, gerente… e um plano de carreira em que você evolui os níveis baseado em certificações fazendo provas no Google e Facebook, que validam seus conhecimentos nas suas plataformas.

PB: Para quem um profissional de marketing digital geralmente trabalha?

LA: Para quem um profissional de marketing digital não trabalha? Rs!

Geralmente, um profissional de marketing digital trabalha para um cliente com uma necessidade que pode ser atendida em meios digitais.

Normalmente está associado a vendas e prestação de serviços… tudo em que há uma entrega que possa ser mensurada digitalmente, nos mais diversos segmentos (de ensino, imobiliário, saúde)… O que muda acaba sendo a estratégia e o critério de mensuração de resultados.

Hoje em dia, o que não mais pode se beneficiar da inserção do meio digital? :)

PB: Um profissional de marketing digital também costuma trabalhar com pequenas empresas ou MEI (microempreendedor individual)?

LA: Sim, profissionais de marketing digital também costumam trabalhar com pequenas empresas! Pequenas empresas, inclusive, tem chances muito mais facilitadas de crescer com o trabalho de um profissional de marketing digital. O que é um salão de beleza do bairro que está visível apenas por quem passa na rua comparado à um que é encontrado no Instagram por pessoas próximas que estavam navegando nas hashtags de penteados de cabelo? Aumenta-se exponencialmente o alcance do conhecimento do seu pequeno negócio através do meio digital, e isso pode definir a sua sobrevivência no mercado.

No início, normalmente nos pequenos negócios os próprios funcionários de atendimento ou donos atualizam as redes, o que é melhor que nada. Mas, o passo seguinte, com o aumento de demanda e percepção dos resultados neste meio, é contar com profissionais de marketing digital mais especializados, para melhorar.

Agora, para contratar uma agência que faz uma estratégia mais abrangente, como a Intermídias, o foco acaba sendo empresas maiores por conta do investimento necessário mais elevado.

PB: Os cursos de marketing digital que são oferecidos no Brasil precisam estar regulamentados?

LA: Na minha opinião, é bom haver uma regulamentação, sim, para garantir a qualidade daquele profissional que está sendo formado. Só que, essa é uma área que atualiza-se tão rápido em questão de tecnologia e ferramentas (que acabam por interferir em metodologias de trabalho também), que acredito que, primeiramente, os processos burocráticos do Brasil teriam que ser mais rápidos para que os critérios de avaliação dos cursos estivessem sempre atualizados – e úteis.

Existem muitas plataformas de ensino digitais, algumas mais reconhecidas que outras… E o reconhecimento delas normalmente está relacionado a qualidade de ensino que nós, profissionais da área, sabemos. Para uma pessoa que não é da área, ter um curso com certificado pela instituição X ou Y pode ter um mesmo valor – e na verdade, são bem diferentes.

PB: O que as empresas que trabalham com marketing digital desejam ver nas pessoas interessadas na área?

LA: Como a área do marketing digital é muito mutável, evolui rapidamente, e é difícil encontrar profissionais experientes (é um mercado ainda jovem), posso dizer o que tenho visto acontecido tanto aqui na Intermídias, quanto em outras empresas de marketing digital: procuramos pessoas que sejam ensináveis, curiosas, gostem de aprender – e estudem para aprender de fato – coisas novas e estar sempre sempre se atualizando, tenham dedicação e responsabilidade.

Avaliamos muito o Perfil dessa pessoa no processo de seleção, além de buscar também pessoas qualificadas/com experiência prévia e certificações que consideramos essenciais.

PB: Você acredita que temos profissionais suficientes na sua área?

LA: Não temos profissionais de marketing digital suficientes, porque no mercado ainda temos, na minha opinião, muitos que ainda não fazem o trabalho básico bem, infelizmente. Talvez nunca tenhamos profissionais de marketing digital suficiente, porque essa área, e tudo o que envolve o digital, está em constante expansão. Novas tecnologias, ferramentas, métricas e metodologias surgem…

Por exemplo, podem surgir (e surgem) novos serviços a partir de uma nova abordagem / soma de metodologias e de ferramentas de marketing digital, para atender demandas muito específicas, gerando um novo mercado.

PB: Você acredita que as intuições de ensino que temos e oferece o curso de marketing digital estariam preparadas para quem sabe uma demanda de novos interessados?

LA: Se as instituições de ensino estiverem focando mais em ensinar e estimular o estudante a ter uma visão estratégica do negócio do cliente para identificar corretamente os objetivos e os KPI (principais indicadores de desempenho) adequados, a ter um ciclo constante de teoria, prática, mensuração e análise para otimizações constantes, em ir além do que é dado em teoria em sala, a ser proativo e descobrir as diferentes ferramentas possíveis que possam solucionar o problema… então, sim! :)

A Importância de web sites para as empresas – Jornal A Tarde, Dezembro de 2018

Em entrevista presencial gravada e realizada por Heitor do Jornal A Tarde, pude explicar sobre a importância de as empresas possuírem um web site e como o seu uso de forma estratégica vem evoluindo.

Confira: