O Marketing Digital e as Profissões do Futuro – Jornal A Tarde, Março de 2019

Parte da entrevista que dei sobre profissões do futuro para o Jornal A Tarde que saiu no Domingo, 16 de Março de 2019!

atarde-profissoes-tecnologia-futuro

Marketing é a parte estratégica do negócio que foca na otimização de lucros. Sempre existirá.

O digital é o meio de divulgação mais popular e amplo da atualidade e do futuro, que torna os resultados escaláveis, permite-nos alcançar o público certo e mensurar os resultados com precisão.

Marketing Digital é uma profissão que, se transformando com as plataformas de cada época, viverá para sempre.

Entrevista na íntegra

Paulo Botelho: Então você pode se apresentar e falar o que você faz?

Luisa Ambros: Meu nome é Luisa Ambros, sou diretora de operações da Intermídias, agência especialista em inbound marketing. Sou pós graduada em marketing, com formação em design e experiência em gerenciamento de projetos digitais… iniciei desenvolvimento de sites quando tinha cerca de 12 anos de idade.

PB: Você pode me dizer o que é marketing digital?

Posso! Marketing Digital hoje, seria o marketing que pode apoiar-se de plataformas digitais e dados que conseguimos acesso devido às inovações tecnológicas. É o marketing da atualidade e ele faz parte do Marketing. Quer dizer, ele tem a intenção primordial de trabalhar estratégias para crescer um negócio de forma rentável/sustentável.

PB: Existe áreas de especialização no marketing digital?

LA: Sim, existem. As áreas de especialização são várias… não sei dizer se academicamente muitas são reconhecidas pelo MEC, por exemplo. Mas há muitos setores característicos com funções que exigem constantes “especializações” através de realização de provas para conseguir certificados oficiais de grandes plataformas, como Google e Facebook – que são exigidas para o preenchimento de algumas vagas (como a própria Intermídias está fazendo hoje, por exemplo)

Por exemplo…

Existem em agências digitais o setor Mídia que corresponde a mídias digitais de divulgação. E nelas podemos ter um diretor de mídia, um analista de mídia, coordenador, gerente… e um plano de carreira em que você evolui os níveis baseado em certificações fazendo provas no Google e Facebook, que validam seus conhecimentos nas suas plataformas.

PB: Para quem um profissional de marketing digital geralmente trabalha?

LA: Para quem um profissional de marketing digital não trabalha? Rs!

Geralmente, um profissional de marketing digital trabalha para um cliente com uma necessidade que pode ser atendida em meios digitais.

Normalmente está associado a vendas e prestação de serviços… tudo em que há uma entrega que possa ser mensurada digitalmente, nos mais diversos segmentos (de ensino, imobiliário, saúde)… O que muda acaba sendo a estratégia e o critério de mensuração de resultados.

Hoje em dia, o que não mais pode se beneficiar da inserção do meio digital? :)

PB: Um profissional de marketing digital também costuma trabalhar com pequenas empresas ou MEI (microempreendedor individual)?

LA: Sim, profissionais de marketing digital também costumam trabalhar com pequenas empresas! Pequenas empresas, inclusive, tem chances muito mais facilitadas de crescer com o trabalho de um profissional de marketing digital. O que é um salão de beleza do bairro que está visível apenas por quem passa na rua comparado à um que é encontrado no Instagram por pessoas próximas que estavam navegando nas hashtags de penteados de cabelo? Aumenta-se exponencialmente o alcance do conhecimento do seu pequeno negócio através do meio digital, e isso pode definir a sua sobrevivência no mercado.

No início, normalmente nos pequenos negócios os próprios funcionários de atendimento ou donos atualizam as redes, o que é melhor que nada. Mas, o passo seguinte, com o aumento de demanda e percepção dos resultados neste meio, é contar com profissionais de marketing digital mais especializados, para melhorar.

Agora, para contratar uma agência que faz uma estratégia mais abrangente, como a Intermídias, o foco acaba sendo empresas maiores por conta do investimento necessário mais elevado.

PB: Os cursos de marketing digital que são oferecidos no Brasil precisam estar regulamentados?

LA: Na minha opinião, é bom haver uma regulamentação, sim, para garantir a qualidade daquele profissional que está sendo formado. Só que, essa é uma área que atualiza-se tão rápido em questão de tecnologia e ferramentas (que acabam por interferir em metodologias de trabalho também), que acredito que, primeiramente, os processos burocráticos do Brasil teriam que ser mais rápidos para que os critérios de avaliação dos cursos estivessem sempre atualizados – e úteis.

Existem muitas plataformas de ensino digitais, algumas mais reconhecidas que outras… E o reconhecimento delas normalmente está relacionado a qualidade de ensino que nós, profissionais da área, sabemos. Para uma pessoa que não é da área, ter um curso com certificado pela instituição X ou Y pode ter um mesmo valor – e na verdade, são bem diferentes.

PB: O que as empresas que trabalham com marketing digital desejam ver nas pessoas interessadas na área?

LA: Como a área do marketing digital é muito mutável, evolui rapidamente, e é difícil encontrar profissionais experientes (é um mercado ainda jovem), posso dizer o que tenho visto acontecido tanto aqui na Intermídias, quanto em outras empresas de marketing digital: procuramos pessoas que sejam ensináveis, curiosas, gostem de aprender – e estudem para aprender de fato – coisas novas e estar sempre sempre se atualizando, tenham dedicação e responsabilidade.

Avaliamos muito o Perfil dessa pessoa no processo de seleção, além de buscar também pessoas qualificadas/com experiência prévia e certificações que consideramos essenciais.

PB: Você acredita que temos profissionais suficientes na sua área?

LA: Não temos profissionais de marketing digital suficientes, porque no mercado ainda temos, na minha opinião, muitos que ainda não fazem o trabalho básico bem, infelizmente. Talvez nunca tenhamos profissionais de marketing digital suficiente, porque essa área, e tudo o que envolve o digital, está em constante expansão. Novas tecnologias, ferramentas, métricas e metodologias surgem…

Por exemplo, podem surgir (e surgem) novos serviços a partir de uma nova abordagem / soma de metodologias e de ferramentas de marketing digital, para atender demandas muito específicas, gerando um novo mercado.

PB: Você acredita que as intuições de ensino que temos e oferece o curso de marketing digital estariam preparadas para quem sabe uma demanda de novos interessados?

LA: Se as instituições de ensino estiverem focando mais em ensinar e estimular o estudante a ter uma visão estratégica do negócio do cliente para identificar corretamente os objetivos e os KPI (principais indicadores de desempenho) adequados, a ter um ciclo constante de teoria, prática, mensuração e análise para otimizações constantes, em ir além do que é dado em teoria em sala, a ser proativo e descobrir as diferentes ferramentas possíveis que possam solucionar o problema… então, sim! :)